A Meningite é uma doença séria e faz parte da Lista Nacional de Doenças de Notificação Compulsória, de acordo com a portaria nº 5 de 21 de fevereiro de 2006, sendo de notificação obrigatória em todo o território nacional. Este protocolo tem como objetivo sistematizar para todos os profissionais de saúde, o atendimento, o fluxo da investigação epidemiológica das meningites e as medidas de controle desse agravo, segundo o Guia de Vigilância Epidemiológica preconizado pelo Ministério da Saúde.

Sejam de caráter agudo (meningite meningocócica, meningite pneumocócica) ou subagudo (tuberculose), são meningites graves e que, se não forem rapidamente detectadas e tratadas, levam inevitavelmente ao óbito. A meningite epidêmica, quando as condições de atendimento são boas, a taxa de óbito é de 5% dos atingidos. Outras meningites bacterianas como meningococo e pneumococo podem levar à morte em 15 a 30% dos casos. A doença é contagiosa com transmissão fácil, semelhante à gripe. O agente infeccioso é eliminado com muita facilidade por gotículas que saem do nariz ou da garganta.

Atenção aos sintomas
• Meningite: Criança e/ou adulto com febre, forte dor de cabeça, vômito, rigidez de nuca, prostração (abatimento físico e psíquico com ausência de reações), confusão mental, sinais de irritação meníngea, convulsões e ocasionalmente sufusões hemorrágicas (petéquias – manchas rochas no corpo).
• Em crianças menores de 1 ano, fique atenta aos sinais de irritabilidade (choro persistente) e inchaço na moleira.
• Meningococcemia: Mal estar súbito, febre alta, calafrios, prostração, acompanhada de manifestações hemorrágicas na pele (petéquias e equimoses).
Meningite com Meningococcemia: apresenta os sintomas das duas formas clínicas descritas acima. Clique no link azul e veja artigo completo que aborda Os sintomas da meningite.

As crianças são mais suscetíveis à meningite?
Normalmente, as crianças ainda não entraram em contato com a maior parte dos agentes infecciosos existentes e, portanto, seu sistema imunológico é pouco eficiente para lutar contra uma infecção. Isto as torna vulneráveis a vários agentes infecciosos e facilita a entrada de bactéria e vírus no sistema nervoso central. Entretanto, graças ao desenvolvimento de esquemas de vacinação, essa situação tem se transformado. Um dos agentes infecciosos mais comuns nas crianças portadoras de meningite era uma bactéria denominada Haemophilus influenzae. Com o advento da vacinação contra esta bactéria, ela foi praticamente erradicada nos países desenvolvidos como agente causador de meningites bacterianas agudas.

É comum crianças contraírem meningite?
A chance de adquirir meningite depende da idade da criança, da sua situação vacinal e de condições socioeconômicas. A meningite é transmitida por meio do contato íntimo com secreção salivar ou gotículas de tosse, ou espirro de pessoas que podem ser portadoras de bactérias, mesmo não estando doentes. De uma forma geral, as crianças costumam ter contato mais próximo umas das outras, seja em casa com os irmãos, nas escolas ou creches e daí uma maior chance de contágio.

A evolução da meningite em uma criança é pior do que em um adulto?
A evolução de qualquer doença infecciosa (e a meningite é quase sempre  infecciosa) depende da pronta atuação médica, com a utilização de agentes antibióticos eficientes para aquela infecção. Porém, a situação imunológica do organismo é fundamental para debelar a infecção.  As crianças tem seu sistema imunológico ainda pouco desenvolvido. Este é o motivo da maior gravidade da meningite nas crianças. Em indivíduos idosos a situação é semelhante, pois neste caso o sistema imunológico também não apresenta eficiência máxima. Clique no link em azul e leia artigo sobre as Meningites Infecciosas.

Uma outra situação que vem se tornando extremamente frequente é a dos indivíduos portadores da Síndrome da Imunodeficiência Adquirida (AIDS), na qual agentes infecciosos, às vezes banais, causam graves infecções, pela absoluta falta de resistência dos portadores da síndrome.

Quais as consequências na vida futura da criança que contrair meningite?
É importante lembrar que a meningite pode ser viral ou bacteriana. A viral tende a ter uma evolução benigna, não costuma deixar sequelas, nem necessita de tratamento específico ou internação. A meningite bacteriana necessita de tratamento com antibióticos e pode evoluir com complicações, tais como, infecção generalizada, surdez, paralisia cerebral e cegueira. Leia também: A necessidade do exame de líquor. Poucas horas pode ser fatal no atraso do diagnóstico da meningite.

Conteúdo do livro MEDICINA — MITOS & VERDADES (Carla Leonel ). Perguntas e Respostas. Capítulo de neurologia. Médico responsável Prof. Dr. Milberto Scaff (Prof. Titular de Neurologia da Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo/FMUSP). Capítulo de Pediatria. Médico responsável: Dr. Claudio Schvartsman. Proibida reprodução total ou parcial sem citar a fonte.

Clique nos links em azul e leia as matérias complementares sobre meningite:
• O que meningite e por que as meninges inflamam?
Tipos de meningites infecciosas e por vírus
Causas da meningites não infecciosas
Perguntas e Respostas sobre o exame de líquor

Todos os direitos reservados. Proibida reprodução total ou parcial deste artigo sem citar a fonte com o link.

SUAS DÚVIDAS NO CONSULTÓRIO MÉDICO
Livro Medicina, Mitos e Verdades (Carla Leonel): capa dura, 800 páginas, perguntas e respostas em 22 especialidades médicas com os mais bem conceituados nomes da Medicina no Brasil. Best-Seller: mais de 300 mil cópias vendidas.
• PROMOÇÃO: Compre um e leve dois. Por apenas R$ 99,00 você recebe 2 livros iguais. Pagamento facilitado em até 10 X R$ 9,90 sem juros no cartão de crédito. O frete é por nossa conta. Válido apenas no Brasil e em um único endereço escolhido por você. Não perca esta oportunidade.
Clique neste link COMPRAR e saiba mais. A informação ajuda no diagnóstico precoce e pode salvar vidas.