PICADA DE INSETOS E REAÇÕES ALÉRGICAS

Os insetos estão por toda parte, e embora a maioria não seja perigosa, sua picada ou ferroada incomoda. Mosquitos e carrapatos sugam o sangue humano para sobreviver. Já abelhas, vespas, aranhas, marimbondos ferroam pessoas quando se sentem ameaçados ou quando querem proteger seus ninhos. Ao picar ou ferroar, os insetos injetam veneno junto, que é o que causa a coceira e inchaço no local. Apesar de não ser grave, o fato é que essas picadas incomodam. Coçar a região pode fazer o veneno espalhar e aumentar a coceira ainda mais.

Na picada de inseto é transmitida a substância enzimática da saliva do animal, que desencadeia o processo alérgico nas pessoas suscetíveis. A precaução a ser tomada é evitar as picadas de insetos, enquanto não se aplicam as vacinas específicas e, havendo picada, recomenda-se procurar um dermatologista ou um pronto-socorro, caso ocorram múltiplas picadas ao mesmo tempo. Segundo o Prof. Dr. Luiz Carlos Cucé, autor do capítulo de dermatologia do livro Medicina Mitos e Verdades (Carla Leonel), alguns quadros podem ser graves, até mesmo fatais, como no caso da ocorrência de uma urticária seguida de edema de glote. “As pessoas alérgicas a picadas de insetos devem levar consigo injeções de adrenalina que podem salvar muitas vidas”, alerta o médico.

SINTOMAS DE REAÇÕES ALÉRGICAS
• A picada de insetos pode causar dor e desencadear uma reação alérgica. A gravidade desta reação irá depender da sua sensibilidade ao veneno;
• A maioria das reações é leve, provocando coceira, ardência e inchaço que somem em um ou dois dias;
• Uma reação tardia pode desencadear febre, urticária, dor nas articulações e inchaço nas glândulas;
• Somente pequena porcentagem das pessoas desencadeiam reações graves às picadas (anafilaxia, seguida de choque anafilático). Os sintomas iniciam com náusea, edema facial, dificuldade para respirar, dor abdominal, aumento da pressão arterial;
• Picadas de abelhas, vespas, marimbondos e formigas de fogo são mais problemáticos em termos de reações alérgicas;
• Picadas de mosquitos, carrapatos, moscas, formigas e algumas aranhas também podem causar reações.
• Escorpião, aranhas e algumas formigas podem desencadear reações muito severas;
• Há também insetos que transmitem doenças, como a dengue, malária e febre amarela, entre outras. Nestes casos, o cuidado precisa ser redobrado.
• Ultimamente, com a importação das abelhas africanas, aumentaram os casos de indivíduos que têm seus rins paralisados por várias semanas em decorrência das picadas dessas abelhas. O rim é um órgão muito sensível e, em certas condições, ele para de urinar.

O QUE FAZER APÓS A PICADA
Quando são reações leves e corriqueiras o tratamento é simples. Veja algumas dicas:
• Se houver muitos insetos na região, um enxame, ou algo do tipo, dirija-se a uma área segura para evitar mais picadas;
• Se houver ferrão preso à pele, retire-o. Esta atitude impedirá que mais veneno seja liberado. Lave a área com água e sabão;
• Compressa fria pode reduzir a dor e o inchaço;
• Analgésicos podem aliviar a dor das picadas; cremes tópicos podem aliviar a coceira, como loção de calamina ou aqueles que contêm aveia coloidal ou bicarbonato de sódio, enquanto outros ajudam a controlar a dor.
• ATENÇÃO: reações alérgicas podem provocar náuseas, cólicas intestinais, diarreia e inchaço local.

REAÇÕES GRAVES podem progredir rapidamente. Acione um serviço de emergência ou dirija-se rapidamente ao pronto socorro caso apresente os seguintes sintomas:
• dificuldade em respirar;
• inchaço dos lábios ou garganta;
• desmaio;
• tontura;
• confusão;
• batimento cardíaco acelerado;
• urticária;
• náuseas, cólicas e vômitos.

NAS REAÇÕES GRAVES, TENHA ESTES PROCEDIMENTOS:
• Enquanto se encaminha para o atendimento médico, alguns procedimentos podem ajudar e até salvar o paciente. Veja se há remédios para tratar um ataque alérgico.
• Normalmente pessoas muito alérgicas, possuem tal medicação. Se houver, siga as instruções de aplicação;
• Vire a pessoa de lado para que ela não sufoque caso vomite ou haja sangramento nas vias aéreas;
• Afrouxe as roupas apertadas e cubra a pessoa com cobertor; não dê nada de beber;
• Fique atento a todo tipo de reação que a pessoa possa ter, mantenha-se alerto à pulsação. Tudo isso pode ajudar na hora que chegarem ao pronto-socorro.

DÚVIDAS FREQUENTES SOBRE INSETOS E ANIMAIS PEÇONHENTOS

1. Por que as abelhas morrem depois que picam?
Quando a abelha pica, o ferrão fica no local da picada com os órgãos principais do animal, por isso o inseto morre em seguida.

2. O que mais atrai as abelhas?
Determinados sons ( aparadores de grama elétricos ou a gasolina por exemplo), cheiros fortes como perfumes e cores vibrantes. Quando vamos à mata, devemos evitar passar perfumes, falar alto e usar roupas coloridas.

3. É verdade que só as fêmeas das abelhas ferroam?
Sim, a fêmea é a única que ferroa.

4. Existem inimigos naturais das lagartas de importância em saúde?
Sim. Entre eles: vermes, larvas de moscas, larvas de vespas e alguns tipos de vírus.

5. Se encontrarmos essas lagartas, devemos matá-las?
Não.

6. Existe diferença entre as lagartas de borboletas e de mariposas?
Sim. As lagartas das borboletas, na grande maioria, têm a pele lisa, sem “pelos” ou “espinhos”, essas lagartas não oferecem risco. Já as lagartas de mariposas geralmente possuem “pelos” ou “espinhos” e causam acidentes dermatológicos.

7. O que sentimos quando temos contato com essas lagartas de interesse em saúde?
Sentimos dor tipo “queimadura”, edema (inchaço), hiperemia (fica vermelho no local do contato), ínguas e em casos mais graves, bolhas e hemorragias.

8. O que podemos fazer em caso de acidente com lagartas de importância em saúde?
Passar água corrente, durante uns 15 minutos e depois compressa com água gelada.

9. Onde ocorrem os acidentes?
Encontramos essas lagartas em matas, pomares, bosques, mata ciliar, condomínios etc.

10. Como é feito o soro antilonômico?
Retiramos as cerdas do corpo da lonômia e as amassamos. O líquido resultante desse macerado é o antígeno do animal, Após vários processos de putificação desse antígeno, uma pequena quantidade é injetada no cavalo.  Esperamos por um período e, em seguida retiramos uma pequena parte do sangue do cavalo, onde estarão os anticorpos produzidos por ele. Esses anticorpos farão parte do soro antilonômico.

ARANHAS E ESCORPIÕES

1. Qual o animal que mais causa acidente?
São os escorpiões, em segundo lugar as serpentes e em terceiro, as aranhas.

2. Qual é a aranha que pica mais, a fêmea ou o macho?
É difícil dizer, mas já existem trabalhos dizendo que é a fêmea, por ser maior e ter mais veneno.

3. Quanto tempo de vida tem um escorpião?
Em laboratório, dois anos em média. Em ambiente natural, a literatura aborda, dependendo da espécie, até 3 anos.

4. Qual é a aranha que mais causa acidentes em São Paulo?
Em SP é a aranha armadeira.

5. Todas as aranhas têm veneno?
Sim, todas são venenosas mas apenas três gêneros são de interesse em saúde, ou seja, o quadro clínico pode se agravar e haver necessidade de soroterapia.

6. As aranhas caranguejeiras são perigosas?
Não! Elas podem picar, provocando dor e inchaço.

7. É verdade que depois do acasalamento das aranhas, a fêmea mata o macho?
Isso pode ocorrer com as aranhas viúvas negras – Latrodectus ssp – mas isso é uma das teorias comprovadas. Existem outras também.

8. Podemos usar o inseticida para matar aranhas e escorpiões?
Os produtos químicos usados atualmente possuem características de desalojar os aracnídeos dos ambientes em que se encontram. Qualquer produto químico (querosene, álcool etc.) mata o aracnídeo quando jogado em cima do animal, caso contrário, ele dispersa o aracnídeo que vai infestar outros lugares, como creches, hospitais etc.

9. O que podemos fazer no momento da picada de aranha ou escorpião?
Lavar com água e sabão é muito importante. NUNCA se automedicar.

10. Quanto tempo a pessoa acidentada tem para ir ao hospital?
Nunca trabalhe com “tempo”, sofreu acidente, vá urgente para o hospital, pois nunca sabemos o quanto de veneno o animal inoculou.

11. Como é feito o soro para acidentes com aranhas e escorpiões?
Do mesmo jeito que é feito o soro para cobras, ou seja, injetamos o veneno da aranha ou do escorpião no cavalo, esperamos alguns dias, em seguida retiramos uma parte do sangue do cavalo, lá vão estar os anticorpos, fabricados por ele, que serão usados na fabricação do soro.

SERPENTES

1. Como podemos identificar uma serpente peçonhenta?
Através da dentição e da presença de fosseta loreal (com exceção da coral-verdadeira, identificada geralmente pela dentição).

2. Algumas serpentes são imunes ao veneno?
Sim, temos o caso da muçurana que é imune ao veneno das serpentes e se alimenta de jararaca.

3. O formato do olho difere serpentes peçonhentas das não peçonhentas?
As pessoas falam que se o olho da serpente é em fenda, ela é perigosa, olho redondo, não. No Brasil isso NÃO funciona, o formato do olho tem a ver com o hábito da serpente; se é em formato de fenda, ela é noturna, se o olho é redondo quer dizer que a serpente tem hábitos diurnos.

4. Quanto ao formato da cabeça, as serpentes que têm cabeça triangular são peçonhentas?
Esta teoria não vale para o Brasil, mas vale para as serpentes da Europa. As jiboias têm a cabeça triangular e não são peçonhentas. As corais-verdadeiras são peçonhentas e possuem o formato da cabeça arredondado.

5. Os anéis que a cascavel tem no chocalho indicam a idade da serpente?
NÃO, surge um anel novo a cada troca de pele que a serpente faz, ou seja, se ela trocar de pele três vezes no ano, ela terá três novos anéis. Além disso, a cascavel vive em ambientes secos, com pedras que também podem causar danos em seu guizo.

6. Uma serpente filhote pode causar acidente?
SIM, o filhote já nasce com glândulas de veneno. Se ela conseguir picar, vai injetar veneno.

7. Vou para o mato, o que posso fazer para evitar acidentes com as serpentes?
Usar botas, assim você evita de 50% a 80% dos acidentes; usar luvas de raspa de couro e ter atenção redobrada.  Olhar sempre com atenção os caminhos a percorrer; nunca colocar as mãos em tocas ou buracos na terra, ocos de árvores, cupinzeiros.

8. A sucuri pode comer um boi?
Um bovino adulto não, mas pode comer um bezerro recém-nascido, capivaras, veados e até crianças. São raros os relatos de sucuri atacando uma pessoa.

9. Temos, no Brasil, serpentes marinhas?
Não. Apenas nos Oceanos Pacífico e Índico.

10. Temos alguma serpente no Brasil que pode levar a morte em minutos?
Não, o que pode acontecer é de uma picada atingir um vaso sanguíneo de grande porte e levar a óbito rapidamente, mas é raro.

11. Qual a serpente que mais causa acidentes em São Paulo?
As jararacas. A cada dez pessoas que chegam ao hospital por causa de picadas de serpentes peçonhentas, nove são por jararacas (90%).

12. Qual a diferença entre veneno e peçonha?
• O veneno é qualquer substância de origem vegetal, mineral ou animal, que pode trazer algum dano ao organismo se inalado, ingerido ou absorvido. Ex: veneno de sapo, comigo-ninguém-pode, gás de cozinha.
•  Peçonha é uma substância tóxica, produzida por uma glândula animal especializada, sendo inoculada no tecido por um aparato especializado. Ex: peçonha de escorpião, de aranhas, arraias e de algumas serpentes.

13. E se acontecer da pessoa acidentada não ver e não saber qual serpente a picou?
Através dos sintomas o médico consegue saber, mas se ele tiver dúvida, ele irá aplicar o soro polivalente, feito através dos venenos da jararaca e cascavel.

14. Como é feito o soro antiveneno?
Desta forma: é coletado o veneno da serpente, que é levado até a fazenda e injetado no cavalo. Após alguns dias, uma pequena parte do sangue do cavalo é retirada e da parte líquida, o plasma, é extraída os anticorpos do cavalo e feito o soro. Portanto, quando precisamos do soro, o que estamos recebendo são os anticorpos do cavalo.

15. Por que escolheram o cavalo para fazer o soro?
Por ser um animal dócil, possuir um grande porte capaz de produzir uma quantidade grande de plasma/anticorpos.

16. Todos os municípios têm soro?
Não, nem todos, Por isso verifique se o hospital mais próximo ao acidente possui soros, através do site: http://www.cve.saude.sp.gov.br/

ANFÍBIOS

1. Os anfíbios são venenosos?
Todos os anfíbios possuem substâncias tóxicas na sua pele que servem de proteção contra predadores. Porém, esses animais se defendem de forma passiva, ou seja, não espirram ou injetam as suas toxinas no agente agressor. O veneno cutâneo, além de servir como proteção contra predadores, em geral contém substâncias antibióticas, que protegem os anfíbios contra bactérias e fungos que poderiam causar-lhes doenças.

2. Por que os anfíbios saem mais à noite?
Por terem uma pele muito desprotegida e muito permeável, os anfíbios possuem hábitos noturnos a fim de evitar a exposição ao sol e a perda de água.

3. Os sapos espirram veneno?
Não. O veneno contido nas suas glândulas parotóides (um par de protuberâncias logo atrás dos olhos) só espirra se elas forem pressionadas com força, por exemplo, pela mordida de um predador. Assim, os sapos não representam perigo para os seres humanos.

4. Por que os anfíbios esguicham água quando os pegamos na mão?
O esguicho é proveniente de um reservatório interno para o estoque de água e é uma forma de defesa desses animais para confundir ou assustar o predador. Além disso, ao dispensar essa água eles ficam mais leves, o que os auxilia a saltar bem longe e fugir. Essa água não possui substâncias tóxicas e, assim, não representa nenhum perigo para o ser humano.

LEIA TAMBÉM ARTIGOS DA CATEGORIA PRIMEIROS-SOCORROS

Bibliografia:
Bucaretchi F. Análise das principais diferenças clínicas e epidemiológicas dos acidentes por escorpiões das espécies T. serrulatus e T. bahiensis, e por aranhas do gênero Phoneutria, atendidos no CCI-HC-UNICAMP, no período de janeiro de 1984 a julho de 1988. [dissertação de mestrado]. Campinas: UNICAMP; 1990. Instituto Butantan; Jared, C., Antoniazzi, M.M., 2009. Anfíbios: Biologia e Venenos, in: Cardoso, J.L.C., França, F.O.S., Wen, F.H., Malaque, C.M.S., Haddad Jr., V. (Eds.). Animais Peçonhentos no Brasil - Biologia, Clínica e Terapêutica dos Acidentes. 2ª. ed. Sarvier, São Paulo, pp. 317–330; Sociedade Brasileira de Dermatologia

Todos os direitos reservados. Proibida reprodução total ou parcial deste artigo e/ou imagem sem citar a fonte com o link ativo. Direitos autorais protegidos pela lei.