Algumas doenças não acometem homens e mulheres da mesma forma, por isso é importante saber dessas diferenças para evitar transtornos e finais inesperados.

O infarto, uma das principais causas de morte no mundo, encabeça essa lista. Enquanto neles a dor no peito é comum e vem acompanhada de vômito e sudorese, nelas, os sinais são outros e menos evidentes.

A dor no peito não é relatada em mais de 40% dos casos nas infartadas, apontou estudo com mais de 1 milhão de pacientes nos Estados Unidos, conduzido pelo Centro Médico de Lakeland (Flórida).

"As mulheres se queixam mais de dor nas costas, cansaço, queimação no estômago e náusea", alerta a Dra. Magaly Arrais, cardiologista e cirurgiã cardíaca do Hospital do Coração, em São Paulo. "Esses sinais, nem sempre reconhecidos e relacionados ao coração, fazem com que as mulheres associem o mal-estar a problemas gastrointestinais ou ortopédicos, o que faz com que demorem para procurar socorro médico. É algo preocupante, pois sabemos que os indivíduos enfartados sem atendimento morrem mais", esclarece.

Somado a esses sinais, outras condições negligenciadas pelas mulheres as transformam em vítimas potenciais, como o crescimento da obesidade, o descontrole do diabetes e dos níveis do colesterol, o tabagismo, o sedentarismo, o estresse do dia a dia e a pressão arterial elevada. "A jornada tripla da mulher moderna aumentou o estresse e a ansiedade - fatores que também deixam elas mais suscetíveis aos problemas cardíacos", destaca a especialista.

Estimativas também apontam que a probabilidade de a mulher morrer de infarto é 50% maior quando comparada aos homens. Segundo a cardiologista, isso acontece por uma série de fatores. Um das explicações refere-se ao menor calibre das artérias das mulheres, as placas ateromatosas tendem a fechar mais a artérias delas do que dos homens, o que faz com que a obstrução seja mais grave, tornando-as mais propicias a oclusões arteriais. O estrógeno tem função vasodilatadora, evita o acúmulo do LDL, o colesterol ruim, e facilita o HDL, colesterol bom. "Na menopausa, período em que as mulheres estão mais velhas e mais propensas a males cardiovasculares, o estrógeno apresenta queda progressiva e diminuição desse efeito protetor", argumenta.

Mesmo podendo acometer todas as pessoas em faixas etárias distintas, o infarto é ainda mais frequente em homens, a partir dos 55 anos, e nas mulheres, após 65. Mas, o que acontece ao coração durante esse tipo de ocorrência? "O infarto acontece em decorrência da oclusão arterial, sem receber o sangue, o tecido não irrigado necrosa, morre", explica. "Trata-se de uma doença traiçoeira, pois nem todos pacientes apresentam sintomas característicos e a sobrevida depende do diagnóstico e tratamento precoces", conclui.

Artigo complementar. Clique no link azul e leia também: Os fatores de risco para as doenças cardíacas: a influência no grau de parentesco e a maior incidência de doenças no coração

Navegue também pela categoria de CARDIOLOGIA

Todos os direitos reservados. Proibida reprodução total ou parcial deste artigo sem citar a fonte com o link.

SUAS DÚVIDAS NO CONSULTÓRIO MÉDICO
Livro Medicina, Mitos e Verdades (Carla Leonel): capa dura, 800 páginas, perguntas e respostas em 22 especialidades médicas com os mais bem conceituados nomes da Medicina no Brasil. Best-Seller: mais de 300 mil cópias vendidas.
• PROMOÇÃO: Compre um e leve dois. Por apenas R$ 99,00 você recebe 2 livros iguais. Pagamento facilitado em até 10 X R$ 9,90 sem juros no cartão de crédito. O frete é por nossa conta. Válido apenas no Brasil e em um único endereço escolhido por você. Não perca esta oportunidade.
Clique neste link COMPRAR e saiba mais. A informação ajuda no diagnóstico precoce e pode salvar vidas.