SUBSTÂNCIAS QUE HIDRATAM A PELE

Todos nós sabemos da importância de manter a pele hidratada. Mas nem sempre sabemos como escolher e usar o hidratante de forma correta. Neste artigo, o dermatologista Prof. Dr. Luiz Carlos Cucé esclarece as principais dúvidas.

O primeiro passo é conhecer o seu tipo de pele. A Sociedade Brasileira de Dermatologia classifica a pele de acordo com suas características:

Pele seca: em função da genética, das variações hormonais ou de fatores externos como vento ou radiação solar, tem poros praticamente invisíveis e nenhuma luminosidade. Além disso, é áspera e, não raro, apresentar manchas vermelhas. Maior tendência ao aparecimento de rugas. Uma pele extremamente seca pode descamar, principalmente, nas costas da mão e no lado exterior dos braços, antebraços e pernas.

Pele oleosa: apresenta aspecto lustroso ou engordurado, poros dilatados e, ocasionalmente, espinhas. A oleosidade varia de um dia para o outro, e é causada pela hiperatividade das glândulas sebáceas, que produzem mais sebo do que o necessário. Isso ocorre pela entrada na puberdade, alterações hormonais, estresse, uso de certos medicamentos e exposição ao calor ou humidade excessiva. Como as glândulas oleíferas produzem lipídios em excesso, pode se ver até mesmo, resquícios de óleo nas pontas dos dedos por passar a mão no rosto. A vantagem é a menor tendência ao aparecimento de rugas e linhas de expressão;

Pele mista: apresenta, normalmente, poros dilatados no nariz, testa e queixo, tendo uma oleosidade mais intensa nestas áreas. Leve tendência a formar cravos nessas regiões (zona T). Na bochecha, a pele pode ser normal ou seca. A tendência ao aparecimento de rugas é variável.

Como deve ser utilizado o creme hidratante no CORPO? E a partir de que idade

As pessoas costumam ter canelas, pernas e braços secos, independente do tipo de pele. Essas áreas secas do corpo devem ser compensadas com creme hidratante. Vale lembrar que o uso de sabonete diário contribui, e muito, para o ressecamento da pele. O mais indicado é tomar banhos curtos, com sabonete neutro, e hidratar a pele após o banho, isso em qualquer idade e, principalmente, após exposição solar.

E no ROSTO? Existe a necessidade de hidratação diária?

Os cremes têm somente uma utilidade: corrigir as áreas secas onde há insuficiência de secreção gordurosa das células ou glândulas. Portanto, devem ser usados apenas por pessoas com pele seca. Não se deve esperar que os cremes façam milagres. Pelo contrário. Os cremes hidratantes, nutritivos e restauradores são prejudiciais a quem tem pele oleosa ou mista, pois fecham os poros e impedem que as glândulas sebáceas eliminem as gorduras, provocando o aparecimento de cravos e espinhas. Nestes casos, deve-se optar por hidratantes com textura oil-free. Veja na embalagem se está indicado para seu tipo de pele.

Caso a pessoa apresente manchas, olheiras ou sinais de envelhecimento, o uso de produtos específicos, assim como alguns procedimentos, já podem ser iniciados com a orientação de um dermatologista.  A tendência ao ressecamento ocorre, normalmente, a partir dos 40 anos. Antes dessa idade não há necessidade de cremes hidratantes no ROSTO, a não ser que você tenha pele seca.

Na prevenção é importante o uso de filtro solar em todas as idades, já que o sol é um dos principais vilões do envelhecimento cutâneo, além de poder acarretar o câncer de pele.  Após o banho de sol, os hidratantes são sempre recomendáveis, independente do tipo de pele.

Quais os principais prejuízos causados na pele de acordo com a faixa etária?

Ressecamento: após os 30 anos, as glândulas sebáceas começam, gradativamente, diminuir a produção de óleo na pele. Estado de alerta para quem tem pele seca.

Danos pelo sol e perda de elasticidade: a partir dos 40 anos, os melanócitos diminuem, levando a redução da capacidade da pele de combater os danos provocados pelo sol.  Começam a surgir às primeiras manchas causadas pelo sol.

Afinamento e perda de firmeza: na faixa dos 40 anos, a camada de gordura da pele começa afinar. Após os 50, este processo acelera. Sinais visíveis de perda de viço, elasticidade e maciez.

Como escolher os hidratantes? Eles são todos iguais?

Apesar de levarem o nome hidratante e terem a função de restabelecer a umidade e/ou manter a pele hidratada, os hidratantes se diferenciam de acordo com as substâncias utilizadas na formulação. Para potencializar a ação de hidratação ou agir em conjunto com os dermocosméticos, a indústria farmacêutica incorpora outros princípios ativos no hidratante de base. Conheça as substâncias mais utilizadas para saber qual hidratante combina mais com seu caso.

Ingredientes de base utilizados nos hidratantes: lanolina, silicone, vaselina ou glicerina (também chamada de glicerol).

Principais ativos dermatológicos adicionados na substância base dos hidratantes:

Ureia: potencializa a ação da hidratação.

Ácido hialurônico: consegue preencher os espaços existentes entre as células por ter a capacidade de reter e fixar a água protegendo contra a perda da hidratação. Também tem a finalidade de dar volume, sustentação e elasticidade para a pele. Trabalha em conjunto com as fibras de elastina e colágeno, conseguindo, desta forma, mantê-las íntegras e fortes. Excelente para prevenir rugas e dar suavidade a pele.

Água termal: hidrata, nutre, evita o ressecamento e alivia irritações. Protege a pele da poluição e auxilia de forma nutritiva na reposição de água perdida através da transpiração, ou em climas secos, quentes, exposição ao ar-condicionado etc.

D-pantenol: quando aplicado na pele, transforma-se em ácido pantotênico (vitamina B5)regenerando as células com rapidez.  Perfeito para lábios ressecados, calcanhares rachados, cotovelos ásperos, olheiras, além da hidratação da pele como um todo.

Ésteres de vitamina C: potente antioxidante (elimina os radicais livres) e ajuda na produção de colágeno. Eficaz no tratamento de flacidez e rugas.

Vitamina E: além de ter ação umectante e antioxidante, retarda o envelhecimento da pele.

Ácido alfa-lipóico: anti-envelhecimento. Potencializa os efeitos das vitamina C e E.  Aumenta a elasticidade e tônus da pele. Melhora cicatrizes, rugas e linhas de expressão. Magnífico para a textura da pele.

Alguns ativos botânicos

Óleo de amêndoas ou de uva: possui ação hidratante, previne estrias na gravidez e rugas.

Óleo de jojoba:  tem ação emoliente e umectante. Repõe a oleosidade natural e evita a evaporação da umidade da pele. Previne o envelhecimento precoce e o aparecimento de linhas finas nos olhos.

Óleo de macadâmia: rico em Vitamina E, é facilmente absorvido pela pele, lubrificando e mantendo a água na derme.

Óleo de maracujá: promove nutrição e hidratação na pele, aumentando a sedosidade e devolvendo o viço natural.

Manteiga de Karité: rica em oxidante e com grande poder de hidratação.

Aloe vera (babosa): é um excelente hidratante, tonificante e cicatrizante. Também ajuda a regular a oleosidade da pele.

Aveia: restaura a pele danificada.

Ativos marinhos: estimula as células cutâneas e tem ação dermoprotetora. Garante a maciez da pele.

PCA-Na: tem um efeito hidratante superior a glicerina (substância de base com maior poder de hidratação) o que a torna um excelente complemento para qualquer tipo de hidratante. Tem o poder de prevenir o ressecamento, além de deixar a pele macia e com viço.  

Dica: Quanto mais seca a pele, mais ingredientes de hidratação, o produto deve conter. Opte sempre por cremes emolientes que tem maior poder de penetração. Já os umectantes tem a função de reter a água na pele, impedindo que ela resseque. Ideal para quem tem a pele mista ou oleosa. 

Pessoas com mais de 40 anos podem se beneficiar de hidratantes com dermocosméticos, que auxiliam no processo do anti-envelhecimento, diminuindo rugas e aumentando a firmeza da pele.

Clique no link azul e leia mais artigos na categoria: beleza e bem-estardermatologia e cirurgia plástica

Todos os direitos reservados. Proibida reprodução total ou parcial deste artigo e/ou imagem sem citar a fonte com o link ativo. Direitos autorais protegidos pela lei.