BULIMIA E ANOREXIA

O que é considerada anorexia nervosa?
Na anorexia nervosa, os indivíduos se recusam a manter um peso corporal próximo do normal, tendo um medo intenso de ganhar peso e exibindo uma alteração significante na percepção da forma ou do tamanho do seu próprio corpo (ele se enxerga sempre obeso, mesmo que esteja desnutrido). Meninas após a puberdade estão mais predispostas à anorexia, especialmente em cidades industrializadas onde “ser magro” é considerado atrativo.

Existem pessoas com anorexia que restringem a dieta de forma radical, às vezes, se submetendo até o jejum. Outras, além da dieta brusca ainda induzem vômitos, usam laxativos ou enemas. Também é frequente recorrer a atividades físicas exageradas. Muitos desses pacientes manifestam sintomas depressivos, diminuição da sociabilidade, irritabilidade, insônia, ausência de menstruação e desinteresse sexual.

Segundo o psiquiatra Ph.D. Prof. Dr. Marco Antônio Marcolin, autor do capítulo de psiquiatria do livro Medicina Mitos e Verdades (Carla Leonel), a anorexia é uma doença hereditária e pode ter o estresse como fator desencadeante. O curso do transtorno é variável, podendo ter cura após um primeiro episódio ou ser recorrente ao longo da vida. Ocorrem graus variáveis de desnutrição, chegando à hospitalização e, até mesmo, à morte.

Conheça os critérios diagnósticos para anorexia nervosa segundo o DSM-IV

1. Recusa em manter o peso dentro ou acima do mínimo normal adequado à idade e altura (por exemplo, perda de peso levando à manutenção do peso corporal abaixo de 85% do esperado, ou fracasso em ter o peso esperado durante o período de crescimento, levando a um peso corporal menor que 85% do esperado).

2. Medo intenso de ganhar peso ou de se tornar gordo, mesmo com peso inferior.

3. Perturbação no modo de vivenciar o peso, tamanho ou forma corporal; excessiva influência do peso ou na forma corporal na maneira de se autoavaliar; negação do peso corporal atual.

4. Para mulheres, ausência de pelo menos três ciclos menstruais consecutivos. Especificar tipos:
• Restritivo: não há episódio de comer compulsivamente ou prática purgativa.
• Compulsão periódica/purgativo: existe episódio de comer compulsivamente e/ou purgação.

ANOREXIA pela classificação Estatística Internacional de Doenças e Problemas Relacionados com a Saúde (CID-10)

1. Há perda de peso ou, em crianças, falta de ganho de peso; o peso corporal é mantido pelo menos 15% do esperado.

2. A perda de peso é autoinduzida pela evitação de alimentos que engordam.

3. Há uma distorção na imagem corporal, na forma de psicopatologia específica de pavor de engordar.

4. Um transtorno endócrino generalizado envolvendo o eixo hipotálamo-hipófise- -gônadas é manifestado em mulheres como amenorreia e em homens como perda de interesse e potência sexuais.

5. Se o início é pré-puberal, a sequência de eventos da puberdade é demorada ou mesmo detida em meninos e meninas. Com a recuperação, a puberdade é completada normalmente, mas a menarca é tardia.

Qual a diferença entre anorexia e bulimia?
Na anorexia o paciente é obstinado pela magreza e tem completa distorção da sua imagem corporal. Uma verdadeira fobia do peso e um medo irracional por engordar.  Na bulimia existe uma excessiva preocupação com as formas do corpo mas sem a obstinação do anoréxico. Basta ver que a bulimia pode ocorrer tanto em pessoas magras, de peso normal ou obesas.

A bulimia se caracteriza por “comer/vomitar” e usar métodos inapropriados para prevenção de ganho de peso. A ingestão alimentar é igual ou maior do que a de indivíduos normais, seguida de episódios de vômitos provocados. O tipo de comida varia, porém é mais comum que se prefira comidas altamente calóricas como doces, bolos e sorvetes. Normalmente, são pessoas que se envergonham da quantidade de comida que ingerem e tendem a esconder este sintoma de várias formas. Outras maneiras de se livrar do alimento ingerido são o uso de laxativos, enemas, diuréticos ou excesso de exercícios. Clique no link e leia matérias relacionadas
• vomitar e tomar laxantes para emagrecer  
• chocólatras: diferença entre os chocolates saudáveis e calóricos - saiba como escolher

Importantes alterações físicas e do metabolismo surgem em função dos métodos utilizados para a perda do alimento ingerido. Pelo vômito frequente, podem ocorrer alterações dentárias (desgaste do esmalte do dente), glândulas salivares aumentadas, esofagite e ruptura do estômago. Pode haver também a interrupção da menstruação e desidratação. Portadores de bulimia normalmente tem calosidade no dorso da mão causada por lesão da pele com os dentes.

Conheça os critérios diagnósticos para bulimia nervosa segundo o Manual Diagnóstico e Estatístico de Transtornos Mentais (DSM-IV) 

1. Episódios recorrentes de consumo alimentar compulsivo (episódios bulímicos) com as seguintes características:
• Ingestão em pequeno intervalo de tempo (cerca de 2 horas) de quantidade de alimentos claramente maior que o consumo habitual;
• Sensação de perda de controle sobre o comportamento alimentar durante os episódios (isto é, sensação de não conseguir parar de comer ou de controlar o que ou quanto está comendo).

2. Comportamentos compensatórios inapropriados para prevenir ganho de peso, como vômito autoinduzido, abuso de laxantes, diuréticos ou outras drogas, dieta restrita ou jejum, ou exercícios vigorosos.

3. Episódios bulímicos e comportamentos compensatórios ocorrem, em média, 2 vezes por semana por, pelo menos, 3 meses.

4. Autoavaliação é indevidamente influenciada pela forma e pelo peso corporal.

5. O distúrbio não ocorre exclusivamente durante episódios de anorexia nervosa. Especificar tipos:
• Purgativo: autoindução de vômitos, uso indevido de laxantes e diuréticos, enemas;
• Sem purgação: prática de exercícios excessivos, jejuns.

Classificação Estatística Internacional de Doenças e Problemas Relacionados com a Saúde (CID-10)

1. Preocupação persistente com o comer e forte desejo ou sentimento de compulsão por comer.

2. Paciente tenta neutralizar efeitos de “engordar” dos alimentos por meio de vômitos autoinduzidos, períodos de alternação de inanição e uso de drogas. Em pacientes diabéticos, pode haver negligência ao tratamento insulínico.

3. Autopercepção de que se está muito gordo, com pavor intenso de engordar e com prática de exercícios excessivos ou de jejuns. Paciente coloca para si mesmo um limiar de peso nitidamente definido, bem abaixo de seu peso pré-mórbido que constitui o peso ótimo na opinião do médico. Há, frequentemente, mas não sempre, histórico de episódio de anorexia nervosa, expresso ou atenuado, com perda de peso moderada e/ou fase transitória de amenorreia (falta de menstruação).

Este conteúdo é exclusivo do livro Medicina Mitos e Verdades (Carla Leonel) - Editora CIP. Capítulo de endocrinologia e psiquiatria. Médico responsável Prof. Dr. Alfredo Halpern e Prof. Dr. Marco Antônio Marcolin. 

Clique no link azul e leia matéria relacionada:
• Causas, sintomas e consequências da esofagite

Todos os direitos reservados. Proibida reprodução total ou parcial deste artigo e/ou imagem sem citar a fonte com o link ativo. Direitos autorais protegidos pela lei.